terça-feira, 26 de maio de 2009

Pomar, a Coleção... e Eu.

Caríssimas (os),
Não tenho pretenção alguma de seguir qualquer tendência e nem de lançar tendências. Faço o que gosto e acredito no meu bom senso. Não estudei moda, apesar de ler muito sobre o assunto, mas estudei artes, o que me dá suporte e me ajuda muito na busca de proporção, harmonia, equilíbrio, estética e beleza. Gosto de criar coisas com histórias, isso dá um significado maior e torna tudo mais especial, sobretudo pra mim na hora de criar. Além disso, é um método que me ajuda a ter foco. Não que eu não crie vez ou outra peças aleatórias. Isso até pode acontecer, mas tenho aprendido que trabalhar com um foco para mim, me traz economia de despesas e tempo e dá unidade ao meu trabalho, coisas que aprendi no campo das artes e também com o trabalho com produção cultural, onde tudo é pra ontem e é preciso ter muita objetividade.
Bem, desde o princípio, a Pomar sempre teve o objetivo de fazer coisas que pudessem ter uma historinha especial, e assim ganhar um significado maior para quem compra ou quem ganha. Por trás da idéia do produto, tem a persistência por um fator que não abro mão: qualidade. Por isso, procuro selecionar materiais especiais e de qualidade. Eu vendo idéia, conceito e qualidade.
Nos tempos que vivemos, é preciso se preocupar com a durabilidade das coisas. As coisas que crio não são eternas, eu sei. Mas procuro fazer com que elas possam durar mais tempo e sempre recomendo nos tags os cuidados especiais que cada peça merece ter. Isso é se preocupar com o outro também. Entretanto, como são peças artesanais, é possível que possam conter pequenas imperfeições e por isso, estarei sempre disponível para as críticas, sugestões e trocas, claro.

Bem, voltando a coleção... ela será lançada oficialmente no dia 28 de junho, na abertura do Caixa de Criadores, coletivo de moda ao qual faço parte em Belém. Então, foi pensando no "Caixa" e não no Dia dos Namorados que venho planejando a coleção, já a alguns meses. Se o período é marcado por esta data comercial, é mera coincidência e eu diria... feliz coinscidência! Mas se o tema é bobo, comum ou sem originalidade... Bem, o amor tem lá esse estereótipo, entretanto, ninguém escapa de seus sintomas em algum momento da vida (rsrs). Depois, não me furtaria de ser o que sou, de fazer o que acredito e o que gosto simplesmente por dar mais importância à clichês (aliás, clichês quando bem usados podem ser até interessantes). E por eu ser assim, nem me toquei que quando comecei a planejar a coleção, há seis meses atrás, iria coincidir com esta data "romântica-comercial".

Bem, se ainda não perceberam, a Pomar fala sobretudo, de AMOR. Tem em seu próprio conceito, o AMOR e toda forma Dele valerá sempre à pena.

A coleção "Amores" começou "borbulhar" na minha cabeça a partir de uma fábula e de uma frase contida nela (a frase está no flyer do post do dia 19/05). E foi assim que tudo começou...
E para terminar, acredito que é sempre válido e hora de falar de amor em tempos mundiais tão desarmoniosos, em que as relações são tão voláteis, os sentimentos tão efêmeros e que quantidade, em todos os sentidos, tem sido tão mais importante que qualidade, sobretudo, da própria vida. Acredito, que a Pomar fará muitos outros trabalhos pela frente inspirados no amor.
E assim termina este post... E eles foram felizes para sempre! (e viva as fábulas!)
Beijos para todos e todas.
Sil.

2 comentários:

Ana Carolina disse...

Ai....amo a frase:"e foram felizes para sempre"...e quem disse que o amor não é careta, clichê e brega? Amor é tudo isso e mais um monte de coisas boas...e qdo se tem amor no coração....é fácil ver flores em tudo!!!!
Adoro fábulas!!!

Quando for aí com certeza aviso.

Bjs
Carolina

sandra disse...

Sopbre a crítica...Algumas nos edifica... e sobre o post, vc está correta em trabalhar de maneira a se sentir satisfeita e satisfazer suas clients... sobre a coleção...MARAVILHOSA, parabéns!!!